sábado, 29 de setembro de 2018

Uma crônica... moralizante (?)


A literatura diz a vida, no sentido de que nos faz abrir os olhos (com espanto ou indagação) ante iluminações de obscuros recantos de nossos pensamentos e alma. Poetas e prosadores, com sua sensibilidade, chegam a flagrar as outras intenções, por trás daquelas que desejamos mostrar. Foi o que pensei, por estes dias (uma vez mais...), ao ouvir e ler falas de políticos à cata de votos para as próximas eleições. 
Leitor ou leitora, sossegue: não pretendo chegar à generalização, sempre desaconselhável e indevida. Contudo, você não se pergunta o quanto de verdade haverá em certos discursos que pregam ética e moral, ou que delineiam projetos a serem executados?  Creio que sim, como eu. Por isso, duvidamos, criticamos, tornamo-nos desconfiados e até descrentes, diante do que este ou aquele candidato diz.
No entanto, seríamos nós, pobres mortais eleitores, diferentes? Éticos, moralistas, verdadeiros – eternamente? Sem deslizes?
Uma crônica de Luis Fernando Veríssimo expõe o que todos sabemos: o ser humano tende a buscar proveito e vantagem para se colocar confortavelmente no mundo. (Bem, se assim não fosse, seríamos anjos e não homens; e nossa morada não seria este planeta, concorda?)

No texto, sob a aparente intenção de preservação de laços conjugais, sucedem-se argumentos e contra-argumentos que...
Vou parar por aqui, pois, melhor que explicar, é ler a narrativa do cronista, com seu costumeiro humor e ironia – e, quem sabe, reconhecermo-nos nela.
Ah! Não deixem de prestar atenção ao título...

Os Moralistas
— Você pensou bem no que vai fazer, Paulo?
— Pensei. Já estou decidido. Agora não volto atrás.
— Olhe lá, hein, rapaz...
Paulo está ao mesmo tempo comovido e surpreso com os três amigos. Assim que souberam do seu divórcio iminente, correram para visitá-lo no hotel. A solidariedade lhe faz bem. Mas não entende aquela insistência deles em dissuadi-lo. Afinal, todos sabiam que ele não se acertava com a mulher.
— Pense um pouco mais, Paulo. Reflita. Essas decisões súbitas...
— Mas que súbitas? Estamos praticamente separados há um ano!
— Dê outra chance ao seu casamento, Paulo.
— A Margarida é uma ótima mulher.
— Espera um pouquinho. Você mesmo deixou de frequentar nossa casa por causa da Margarida. Depois que ela chamou vocês de bêbados e expulsou todo mundo.
— E fez muito bem. Nós estávamos bêbados e tínhamos que ser expulsos.
— Outra coisa, Paulo. O divórcio. Sei lá.
— Eu não entendo mais nada. Você sempre defendeu o divórcio!
— É. Mas quando acontece com um amigo...
— Olha, Paulo. Eu não sou moralista. Mas acho a família uma coisa importantíssima. Acho que a família merece qualquer sacrifício.
— Pense nas crianças, Paulo. No trauma.
— Mas nós não temos filhos!
— Nos filhos dos outros, então. No mau exemplo.
— Mas isto é um absurdo! Vocês estão falando como se fosse o fim do mundo. Hoje, o divórcio é uma coisa comum. Não vai mudar nada.
— Como, não muda nada?
— Muda tudo!
— Você não sabe o que está dizendo, Paulo! Muda tudo.
— Muda o quê?
— Bom, pra começar, você não vai poder mais frequentar as nossas casas.
— As mulheres não vão tolerar.
— Você se transformará num pária social, Paulo.
— O quê?!
— Fora de brincadeira. Um reprobo.
— Puxa. Eu nunca pensei que vocês...
— Pense bem, Paulo. Dê tempo ao tempo.
— Deixe pra decidir depois. Passado o verão.
— Reflita, Paulo. É uma decisão seriíssima. Deixe para mais tarde.
— Está bem. Se vocês insistem...
Na saída, os três amigos conversam:
— Será que ele se convenceu?
— Acho que sim. Pelo menos vai adiar.
— E no solteiros contra casados da praia, este ano, ainda teremos ele no gol.
— Também, a ideia dele. Largar o gol dos casados logo agora. Em cima da hora. Quando não dava mais para arranjar substituto.
— Os casados nunca terão um goleiro como ele.
— Se insistirmos bastante, ele desiste definitivamente do divórcio.
— Vai aguentar a Margarida pelo resto da vida.
— Pelo time dos casados, qualquer sacrifício serve.
— Me diz uma coisa. Como divorciado, ele podia jogar no time dos solteiros?
— Podia.
— Impensável.
— É.
— Outra coisa.
— O quê?
— Não é reprobo. É réprobo. Acento no "e".
— Mas funcionou, não funcionou?
[VERÍSSIMO, Luis Fernando. As Mentiras que os Homens Contam. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2000.]

Ridendo castigat mores...
Após a leitura, dá para sentir uma pontinha de semelhança com alguma atitude nossa, ou de alguém conhecido, não? Pode-se aplicar à crônica de Veríssimo a frase-título, acima: rindo, castiga / critica os costumes, pois que a crônica humorística presta-se bem a isso.
Reforço e amplio: a crônica literária em geral – e a de humor, em particular –, muitas vezes, diz-nos o mundo e a vida, talvez mais que o conto, por exemplo. É que “no conto, inventam-se histórias; na crônica, predominantemente, evidenciam-se histórias 1” – as nossas histórias, não, querido leitor?
Até outro dia.
Abraços. (Sinceros!)
CARDOSO, J. A. Crônica Literária no Jornal: História, Estrutura e Funcionamento. 2010. Disponível em:
www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=157333


Um comentário:

  1. Coin Casino Review | Play at Online Casino For Real Money
    Our detailed Coin Casino Review, including info on septcasino games, bonuses, promotions and more. Learn all about the 인카지노 top 메리트 카지노 고객센터 games, software providers,

    ResponderExcluir